Contato

E-commerce: regras que consideramos determinantes para o sucesso do seu negócio

As cifras do comércio eletrônico brasileiro são crescentes e bilionárias. Em 2014, o setor faturou R$ 35,8 bi e apareceu na décima posição no ranking mundial de vendas on line. No país, mais de 50 milhões de pessoas utilizam o varejo digital para adquirir os mais variados produtos.

Entre os fatores que multiplicam as negociações via rede mundial de computadores está a facilidade. E dos dois lados. Enquanto o consumidor ganha em variedades, comparações imediatas de preços e valores menores, os comerciantes reduzem custos fixos com lojas físicas, estoque descentralizado, aluguel e mão de obra. Simples? Nem tanto.

“Quem acha que o e-commerce é uma varinha de condão comete um engano. Vendas on line exigem uma série de providências que muitas vezes podem ser estranhas para a maioria dos negócios”, afirma Fred Achkar, presidente da Verup.  Veja as seis principais questões que devem ser observadas em um e-commerce de sucesso:

  • Estoque: além de controle rígido, o estoque tem de ser de uso exclusivo para operação de e-commerce. Ao colocar determinado estoque como disponível para essa operação, o setor não pode ter outro acesso, exceto em eventual aumento de disponibilidade.
  • Front page:  toda a plástica da página deve ser acompanhada de praticidade e conter apenas elementos que incentivem a compra. Elementos desnecessários, além de distrair o comprador, podem confundir, o que muitas vezes leva ao abandono da eventual compra.
  • Modalidades de pagamentos: pelo fato de o consumidor ter de pagar para garantir a entrega, o item estoque nesse momento ganha magnitude total. Pagar para depois o vendedor descobrir que o produto não tem estoque é algo inaceitável. Pior ainda quando a compra envolve mais de um item, e percebe-se que um tem, enquanto o outro não. 
  • Logística: na maioria das vezes, as empresas estão acostumadas com grandes volumes de peças e poucos processos de despachos. O e-commerce inverte totalmente essa equação.
  • Entrega: a data prevista de entrega, se não respeitada, é na maioria das vezes a razão de desistência do comprador. E pior, essa desistência pode ocasionar em ruptura definitiva. Uma entrega rápida é quase certeza de deixar um cliente satisfeito. A satisfação plena ocorre quando o produto chega rápido, intacto e sem discrepâncias entre o que foi comprado e o que foi entregue.
  • Eventuais devoluções: essa etapa consegue destruir toda uma operação eventualmente bem sucedida. E é ela que onera a margem de contribuição de um e-commerce.

Vale lembrar que o segmento vestuário aparece em quarto lugar no ranking de e-commerce no Brasil, com índices muito altos de aprovação (mais de 92%). As mulheres compram mais (53%), mas os homens (com 47%) não ficam muito atrás. Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito e mostram como o varejo pode sempre se reinventar.

Compartilhar

Fazer um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *