fbpx

Fluxo de caixa: 4 erros para não cometer!

O fluxo de caixa é uma ferramenta fundamental no gerenciamento financeiro de qualquer negócio. A sua boa organização é muito importante, visto que ele engloba todas as entradas e saídas de recursos dentro de uma empresa.

Para ter sucesso, existem alguns erros muito comuns que não podem ser cometidos na implementação e no uso do seu fluxo de caixa.

Quer saber quais são eles e como evitá-los? Continue a leitura e acompanhe as nossas dicas para fazer a diferença em seu planejamento financeiro!

1. Não compreender o fluxo de caixa

Esse é um erro muito mais comum do que se pensa. Ele ocorre porque, apesar de o nome indicar, o fluxo de caixa não deve levar em consideração somente os valores disponíveis em dinheiro — ou seja, que estão no caixa —, mas também aqueles que estão nas contas-correntes e aplicações de curto prazo.

Nesse sentido, dois conceitos essenciais são as entradas e saídas. As entradas estão relacionadas com recebimentos, principalmente de clientes, pela prestação de serviços e venda de produtos. No caso das despesas, existe uma relação com a atividade da empresa.

Assim, pagamentos de funcionários, de impostos e de contas em geral são exemplos de saídas de caixa. Após o confronto dos saldos de caixa e equivalentes de caixa — ou seja, das entradas e saídas de recursos —, será obtido o fluxo de caixa de um período de tempo, que pode ser um dia, uma semana, um mês, etc.

2. Misturar finanças pessoais com as da empresa

Este é outro erro que compromete a elaboração do fluxo de caixa. Para que isso seja evitado, uma dica é separar as contas-correntes, os cartões de crédito e débito da pessoa física e da pessoa jurídica.

Outra dica importante é evitar levar as contas pessoais para o escritório e vice-versa, já que elas podem ser pagas por engano e gerar a confusão patrimonial. Esse erro compromete as finanças e dá uma falsa impressão em relação à realidade dos recursos financeiros da empresa.

3. Não categorizar os lançamentos

Não categorizar os lançamentos é um erro gerencial que não utiliza todas as possibilidades do fluxo de caixa. A criação de categorias é uma das grandes vantagens do fluxo de caixa, e desprezar esse uso pode atrapalhar a boa gestão da empresa. Por isso, dê preferência a um bom software de gestão para te auxiliar nessa tarefa.

Para que esse erro possa ser evitado, é preciso que toda a movimentação esteja em dia e bastante detalhada, o que permitirá que tanto despesas quanto receitas sejam divididas por categorias. No caso dos gastos, isso pode ajudar a reduzir ou substituir algum custo da empresa. No caso das receitas, ajuda a conhecer as entradas, permite criar promoções, descontos e outras estratégias para maximizar os resultados.

4. Considerar cheques pré-datados e títulos a prazo

Cheques pré-datados, pagamentos e recebimentos a prazo merecem uma atenção especial para que não virem um erro no seu fluxo de caixa. No caso dos cheques pré-datados, sejam eles recebidos ou emitidos, é preciso considerá-los no fluxo de caixa somente quando forem efetivamente descontados e fizerem parte da movimentação bancária da empresa.

Já no caso dos pagamentos e recebimentos a prazo, os registros deverão ocorrer somente no momento de cada parcela, e não no momento de emissão ou recebimento do título. Tanto no caso dos cheques quanto dos títulos a prazo, o ideal é fazer um controle à parte e somente inseri-los na movimentação no momento de sua compensação financeira.

Este post foi útil para você? Quer ficar por dentro de mais conteúdo de qualidade para organizar o seu negócio? Siga nossa página nas redes sociais: estamos no Facebook, Twitter, LinkedIn e Google+!

NÓS LIGAMOS PARA VOCÊ